Link Nacional

Mineração de bitcoin e meio ambiente: mitos e verdades

por | Atualizado em 29 de junho de 2021 | Notícias

Você muito provavelmente já ouviu falar nas consequências sobre a mineração de bitcoin e o meio ambiente, não é mesmo? Com o aumento da discussão em torno da preservação ambiental em todo o mundo, a mineração em bitcoin acabou se destacando como uma das atividades humanas que degradam o meio ambiente. Mas quanto do que vem sendo falado é realmente aplicável ao caso concreto? O que faz sentido e o que seria especulativo, quando o tema é a mineração do bitcoin e o meio ambiente?

A Link Nacional também se preocupa com a preservação do meio ambiente, por isso vamos falar sobre os mitos e as verdades relacionados à mineração do bitcoin. Vamos entender porque a recente declaração do guru Elon Musk abalou o mercado do bitcoin, e o que já vem sendo pensado como alternativa para que as operações em criptomoedas continuem a trabalhar sem agredir ao meio ambiente. Também vamos conhecer como funciona a mineração em bitcoin e qual a relação entre a taxa de hash, que indica o poder de computação do bitcoin, e o consumo de energia.

Com soluções em tecnologia e marketing digital para a sua empresa fazer bonito na web, a Link Nacional está sempre a postos para levar até você as informações do universo digital! Com o compromisso de quem possui ampla experiência, trazemos conteúdo de qualidade e oferecemos serviços de primeira linha, tudo para o seu negócio se manter em dia com as novidades da internet. Vem com a gente e saiba porque você e a sua empresa vão sair na frente na web!

Continue lendo

bitcoin

O que é mineração de bitcoin?

A mineração de Bitcoin é um processo de validação da moeda virtual, em que um grupo de pessoas gravam em seus computadores o registro das transações, também chamado de blockchain. É como um banco de dados público, e a cada nova transação, o registro do blockchain é acessado com o fim de evitar fraudes. A mineração faz a criação de novas unidades de bitcoin, e quanto mais computadores registrarem as operações, mais energia será gasta.

Como se forma o blockchain?

O blockchain, ou cadeia de blocos, é o meio pelo qual as transações das criptomoedas, entre elas o bitcoin, são efetuadas. Quando alguém compra ou vende bitcoin, esta operação é registrada e validada pelos mineradores, que gravam o processo no blockchain. Isso evita que bitcoins anteriormente negociados sejam renegociados por outra pessoa, garantindo a segurança das operações.

Como a mineração de bitcoin pode prejudicar o meio ambiente?

Para entender os prejuízos ao meio ambiente que a mineração de bitcoin pode causar, contamos com a ajuda do Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index – CBECI. Em 2019, um estudo concluiu que a rede do bitcoin consome mais energia que a Suíça, com seus 8 milhões de habitantes. Assim, o impacto sobre o meio ambiente poderia ser bem elevado, já que o consumo de energia da rede registrou aumento em 2020, com a entrada de mais mineradores. Por outro lado, em estudo publicado na revista Environmental Science & Technology, os impactos ambientais causados pela mineração de bitcoin podem ser menos prejudiciais do que se pensava. A eletricidade necessária para alimentar os computadores especiais dos mineradores não estaria sendo registrada de acordo com os dados exatos, de maneira a identificar adequadamente o real consumo energético da rede.
Mineração de bitcoin

Qual o gasto de energia no processo de mineração do bitcoin?

Para a execução do processo de mineração do bitcoin, há um gasto energético considerável envolvido. De acordo com a pesquisadora Susanne Köhler, a rede bitcoin consumiu, só no ano de 2018, 31,3 Terawatt-hora de eletricidade. Tal uso gerou 17,3 megatons de dióxido de carbono (CO2), graças ao uso dos equipamentos de mineração. Atualmente a China é o país que opera por volta de 80% dos bitcoins minerados em todo o planeta. Para isso, usa a queima de carvão, responsável por 40% do consumo de eletricidade em mineração de bitcoin. O carvão é um combustível altamente poluente, o que significa dizer que as operações em bitcoin na China comprometem as metas de neutralidade em carbono propostas pelo governo chinês.

O que Elon Musk disse sobre a mineração de bitcoin e o meio ambiente

A preocupação com a mineração de bitcoin e o meio ambiente não passou despercebida aos olhos do guru tecnológico Elon Musk. Dono da Tesla, fabricante de carros elétricos, Musk anunciou recentemente que a empresa não vai aceitar bitcoins como pagamento. A notícia abalou o mercado de criptomoedas, que chegou a perder mais de 300 bilhões de dólares após a revelação do visionário Musk. Segundo ele, o uso de combustíveis fósseis para a mineração de bitcoin tem sido cada vez maior, o que prejudica o meio ambiente.

Sua conclusão foi baseada nos estudos da Universidade de Cambridge, que comprovam o aumento no consumo de energia mineração de bitcoin em 41,91% no ano de 2020. Hoje, as operações em bitcoin, em todo o mundo, já consomem mais energia que alguns países inteiros, o que despertou a atenção de Musk e daqueles que defendem a preservação ambiental.

Bitcoin

Mitos e verdades na mineração de bitcoin e meio ambiente

No campo dos mitos e verdades sobre a mineração de bitcoin e o meio ambiente, é importante lembrar que já estão em andamento projetos que buscam a solução para o aumento no consumo de energia elétrica previsto pelas operações em bitcoin. Um deles envolve a migração do modelo “proof of work” (PoW), ou energia de prova de trabalho para o novo modelo “proof of stake” (PoS), ou prova de participação.

O PoW é um algoritmo de consenso, em que a produção dos dados requer tempo e possui custos. Seu objetivo é frear a ação mineradora, para que não se torne um problema maior no futuro, com o lançamento desenfreado de moedas virtuais. Já o PoS reduz ainda mais tanto o consumo de energia quanto os riscos de fraudes ao sistema, já que os mineradores poderiam minerar bitcoins apenas a partir das moedas que já possui. Além de dificultar a entrada de mineradores, o novo modelo é menos prejudicial sob o aspecto ambiental, uma vez que o minerador não vai precisar decifrar a criptografia das operações para adquirir bitcoins. Por isso o PoS é mais sustentável.

Veja o que é mito

Apesar de tudo, ainda paira no ar a sensação de que a declaração de Musk “esconde” algum outro fundamento. Confira o que é mito: A fabricação de carros elétricos conta com subsídios governamentais, logo, para cada veículo fabricado, a Tesla recebe um “auxílio”, assim como os consumidores da montadora de carros elétricos. Ao atingir certo limite na fabricação, os subsídios começam a pesar no bolso do governo, o que gera redução nas vendas, mas a produção de veículos não pode parar, não é mesmo? Enfim, para menos carros vendidos, menos lucros atingidos. Além disso, Musk divulgou um projeto da Tesla em que há o investimento em créditos de energia renovável, com altos lucros envolvidos.
Mito

Veja o que é verdade

Agora o que não dá para esconder é que existe sim uma ameaça ambiental por trás do consumo excessivo de energia. Tal consciência, porém, não deve se ater apenas à mineração em bitcoin, já que existem outras fontes poluidoras, como as grandes indústrias. Diante disso, é preciso pensar em redução nas emissões de carbono em todas as esferas de produção, a mineração do bitcoin é uma delas.
Verdade

A mineração de bitcoin é uma ameaça ao meio ambiente?

A mineração de bitcoin pode gerar consequências ao meio ambiente, contribuindo para o aumento do impacto ambiental. Isso porque a maior parte das operações em bitcoin ainda usa o carvão como fonte de eletricidade, contexto em que a China é o principal produtor da atualidade. A poluição resultante da queima do carvão eleva os níveis de gás carbônico (CO2) na atmosfera, gerando o aumento das temperaturas e a consequente alteração do clima do planeta. Por isso o debate sobre o uso das energias renováveis nas operações do bitcoin vem se fortalecendo.
Queima de carvão

Conclusão

Gostou de conhecer mais a fundo sobre a mineração do Bitcoin? Aproveite para conhecer mais sobre a Link Nacional! Oferecemos uma gama de serviços em tecnologia e marketing digital, para a sua empresa ou ONG não ficar de fora das melhores oportunidades da web. Fale já com um dos nossos consultores e dê um salto na sua estratégia de marketing na internet!

Nós temos a solução!
Redação: Angélica Campos
Angélica é redatora web e produtora de conteúdo. Formada em Letras pela UFMG com especialização em Gestão Pública pela UCDB. Atualmente escreve sobre tecnologia, educação, arte e cultura, mas também se interessa por temas como filosofia, cultura italiana e mídias digitais.
5 3 votes
Vote no Artigo
guest
Por favor entre com seu nome completo
Digite um endereço de email válido para uma possível notificação de retorno.
Número de whatsApp para eventual notificação de resposta.
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas postagens